REDES SOCIAIS: O fator que estreita ainda mais a linha entre relações públicas e marketing

REDES SOCIAIS: O fator que estreita ainda mais a linha entre relações públicas e marketing

Janet Rodriguez
5 Junho 2017

Bem vindos ao novo mundo das relações públicas, mais conhecido como PR 2.0

Nos últimos anos e devido à rápida importância que as redes sociais têm ganhado, estas têm deixado de ser de gerenciamento exclusivo dos departamentos de marketing digital para se converterem em uma das atividades estratégicas da área de relações públicas.

Hoje em dia, nas agências de relações públicas temos visto a necessidade de incorporar rapidamente ao seu portifólio de productos, o gerenciamento e expertise das técnicas de administração das redes sociais e outras plataformas digitais, avançando nossa prática ao conhecido PR 2.0.

A boa noticia é que tudo parece indicar que cada vez mais as empresas terceirizam para as agências de PR o gerenciamento de suas plataformas digitais para asuntos de comunicação corporativa e cada vez mais de produtos e serviços. O objetivo disto é garantir que toda a informação e mensagens chave em suas plataformas digitais, estejam perfeitamente alinhadas e que através delas consigam comunicar e interagir com seus diversos públicos, com sucesso.

E se isto não é uma tarefa simples, mas possível, seguem os seguintes conselhos.

Oportunidade e caminos do PR 2.0

Para várias agências, o adaptarse à esta nova tendencia do PR 2.0 tem significado um caminho, mas as agências que estão se arriscando, já têm conseguido bons resultados ou aquelas que se encontram no processo, estão começando a vê-los.

Isto tem lhes demandado a capacitação da equipe que já existe e contratar um novo “staff”que conte com outras habilidades, mas no fim das contas, se trata de desenvolvimento de estratégias de comunicação assertivas no ritmo do cliente, já que tudo se trata de desenvolver uma interação adequada e eficiente entre os executivos da agência e o cliente.

O que é uma realidade é que a rotina das empresas variam e no caso do gerenciamento da comunicação de algumas marcas e de seus produtos, esta prática demanda da agencia um conhecimento mais profundo de suas marcas e seus consumidores, inclusive poderia se dizer que nestes casos, esta evolução do PR estreita ainda mais a linha que divide Relações Públicas e Marketing, pelo entendimento tão específico de seus diversos públicos ou consumidores.

Os aspectos do consumidor que um executivo do PR 2.0 não pode ignorar e pelo contrario, deve levar em conta o tempo todo, são:

Conhecer os fatores externos que impactam o consumidor, como por exemplo:

  • Como esta pessoa mudou?
  • O que ela busca?
  • (Acima de tudo) – Onde está nosso consumidor alvo?

 

Em poucas palabras, é crucial conhecer muito bem o cliente para saber seus gostos e preferências melhor do que ninguém. Dentro do que hoje em dia se observa como uma constante, é que o consumidor se encontra com uma atitude muito mais ativa do que antes, ele se encontra em uma busca de conteúdo de seu interesse e de experiências.

Algo muito importante que deve se ter em conta, pe que atualmente o consumidor está mais empoderado do que nunca.

No PR 2.0, os consumidores se transformam justamente em meios ativos de comunicação que não só podem ser receptores do conteúdo que é gerado para eles, mas também que podem interagir com ele e tornar pública sua opinião da maneira que lhes pareça conveniente.

Isto significa uma evolução total da maneira tradicional na qual se vinham efetuando as campanhas tradicionais de Relações Públicas, onde se podía dizer que a informação implementada era mais unidireccional, da empresa para o consumidor.

Com as novas plataformas digitais, esta informação se torna bidirecionada, o que significa que o consumidor ao fazer uso das novas ferramentas sociais, já pode fácilmente reagir e contestar qualquer mensagem ou informação sobre o que a empresa comparte ou não e ao mesmo tempo replicar à sua rede de contatos.

 

Um caminho sem volta

Apesar dos desafíos que isto tem significado, tudo parece indicar que as agências de PR têm se entendido bem com os consumidores e públicos-alvo, de acordó com uma pesquisa conduzida pela empresa The Creative Group, mais da metade (51%) dos 400 executivos entrevistados dizem que os departamentos de relações públicas e comunicações são os mais adequados para gerenciar o canais corporativos de redes sociais. Isto corresponde a um aumento de 12% sobre o número de executivos que favoreceram aos funcionários de relações públicas e comunicações por esta responsabilidade, em um estudo similar conducido há dois anos.

Este ano, os executivos preferiram os profissionais de relações públicas nos departamentos de marketing (28%, menos do que os 35% de dois anos atrás), as equipes de serviço ao consumidor (9%, menos do que os 15%) e os diretores gerais e empresarios (5%). Entre os entrevistados, 7% disse   “outro”, ou “não sabe”.

Então, está na hora de se familiarizar com estas últimas tendências para poder tirar o maior proveito de seus esforços em relações públicas.

Este artigo foi escrito por Janet Rodriguez, Fundadora e Diretora Chefe da Agência Trends Bureau, em colaboração com a Meltwater.

Se quiser saber como otimizar seus esforços em redes sociais, clique aquí.