Aprendendo com os experts em comunicação: Zuleyma Zablah

Aprendendo com os experts em comunicação: Zuleyma Zablah

Zuleyma Zablah
1 Setembro 2017

Com mais de 100.000 seguidores no Twitter, Zuleyma Zablah se tornou uma expert em criar comunicação e ser ouvida. Ela combina muito bem sua paixão pela tecnologia, inovação e imagem para aplicá-la em suas tarefas de publicidade, investigação e marketing.

Vejamos um pouco das estratégias que ela compartilhou com a gente nesta entrevista:

  1. Quais são os elementos indispensáveis em uma estratégia de marketing ou comunicação digital?

Para mim, o primordial é saber o que as pessoas querem dizer, investigar o público é prioridade para estudar o trabalho e estruturar a estratégia para torná-la um pouco mais efetiva. Às vezes a pessoa tem uma campanha geral, mas eu trato de focá-la mais para aumentar o impacto que ela pode ter em uma região específica. Por exemplo, o gosto das pessoas muda dependendo da região onde vivem. É por isso que é preciso estruturar a estratégia de acordo com as necessidades, os interesses e as preferências do público em um lugar específico. Ao sabermos disto, podemos buscar os canais adequados ao nível do público, para poder medir a efetividade da mensagem que queremos transmitir.

  1. Segundo sua experiência, que estratégia você considera a mais bem sucedida para construir uma comunidade de seguidores no entorno de uma marca ou campanha?

Ter identificado líderes que ajudem a formar esta cadeia, esta unidade, porque mediante um líder conseguimos criar este interesse nas pessoas. É incrível como as pessoas escutam alguns tipos de líderes em temas de interesse. É preciso avaliar a personalidade das pessoas da região. Por exemplo, com o povo de Honduras temos que saber que gostam muito de inovação e que o conteúdo tem que chegar para eles direto ao coração.

  1. Sabemos que você tem mais de 100.000 seguidores (só no Twitter). Qual é a estratégia de marketing digital que melhor envolve as pessoas através das redes sociais?

A mesma, usar líderes, mas não qualquer líder. Eles têm que ser gente comum e corriqueira que esteja se envolvendo com temas sociais ou de turismo. Por exemplo, tem gente que de cara não tem muitos seguidores, mas se esta pessoa é bem conhecida por trabalhar em prol de uma causa social, é este tipo de influenciador que as pessoas vão ouvir.

  1. Através de qual estratégia de marketing/comunicação seria mais adequado associar a identidade nacional na comunicação da marca ou campanha?

Definitivamente, eu faria algo muito visual. Utilizaria as redes sociais e a televisão para distribuir este conteúdo visual. É assim que temos obitido a maior atenção na mensagem que queremos transmitir.

  1. Como seu foco é Honduras. Quais você considera que sejam as táticas mais adequadas para se expandir à um mercado global através do marketing digital?

Nós usamos muito os meios internacionais. Os usamos bastante em campanhas destacando tudo de bom daqui, para fomentar o turismo. Também estamos usando muito o tema de geração de emprego e investimento, frequentemente em países específicos. Nós sempre envolvemos os consulados e os meios internacionais nestes esforços.

  1. Onde você considera que as marcas obtém mais benefícios, na comunicação 2.0 (dirigida à grupos) ou 3.0 (dirigida à pessoas individualmente)?

É melhor publicar aos grupos, porque compartilham mais rápido. Nós usamos um monitoramento internacional para fazer uma segmentação das pessoas de acordo com o lugar onde vivem. Contatar grupos é muito mais rápido do que contatar um por um.

  1. O conceito criativo se aplica para uma estratégia de marketing digital da mesma maneira que o tradicional?

Para o tema digital, nós usamos muito vídeo, opinião, testemunhos de pessoas que visitam Honduras, em televisão e redes sociais. Eu acredito que usamos muito pouco o rádio e os meios impressos.

  1. O que você recomenda para alcançar um bom posicionamento na Internet e/ou nas rede sociais?

Nós usamos pautas, mas muito segmentadas e é muito importante também a idéia de criar um canal televisivo via internet. Isso circula muito. A medida que as pessoas vão conhecendo, ele se torna sumamente viral. Por exemplo, uma vez jogamos um programa televisivo pela web, Honduras Ahora e o número de visitas foi impressionante. Eu geralmente uso canais de disseminação que não sejam necessariamente do governo porque sempre existe essa sensação de que a mensagem se politiza na mente do público e nós queremos manter o canal totalmente neutro e com temas de interesse para que a mensagem chegue para todo mundo. Não podemos esquecer que a forma como se envia o conteúdo é vital, quer dizer, é preciso jogar o conteúdo com a  duração e horários indicados.

Conheça mais sobre Zuleyma Zablah:

Sua formação é em publicidade. Tem dois mestrados: um em marketing e outro em finanças. Logo obteve duas pós graduações em alta gerência. Grande parte de sua carreira foi realizada trabalhando com o Banco Mundial na parte de projetos de comunicação. Na verdade sua origem é El Salvador e se naturalizou em Honduras ao chegar para trabalhar no país pelo Banco Mundial. Depois começou a trabalhar em vários projetos independentes e campanhas políticas. Tem oito anos na presidência, gerenciando as contas dos presidentes. Agora seu perfil é focado na investigação e na parte estratégica. Também, tem seis anos gerenciando o assunto de redes sociais. Segundo Zuleyma, no começo considerou as redes como um passatempo, mas pouco a pouco as pessoas começaram a seguí-la até que conseguiu formar comunidades enormes nas redes sociais.

Esta entrevista foi realizada em colaboração com Luis Carranza, Diretor de Estratégia para Meltwater Américas.

Se você quer saber como pode medir o impacto de seus esforços de comunicação e relações públicas, entre em contato conosco aquí.