Tudo sobre a cobertura online da Copa Ouro da CONCACAF

Este ano vimos como se desenvolvia a versão de número quatorze da Copa Ouro da CONCACAF, um dos eventos futebolísticos mais celebrado nas Américas. Vimos como o time do México, o campeão da Copa Ouro anterior, continuava avançando na competição até chegar à semifinal.

Infelizmente foi derrotado pelo time da Jamaica que, por sua vez, foi derrotado pelos Estados Unidos na final. Definitivamente, o time americano conseguiu ganhar seu sexto título em uma final excitante.

Mas não teve ação somente em campo, teve ação latente na mídia online. Não era para menos, já que esta Copa Ouro obteve mais de 600 artigos online por dia no mundo todo. Foi então que nós decidimos dar uma olhada profunda nas tendências que este evento estava criando na mídia online.

Quais foram os países mais populares na mídia online? Quais destes estiveram mais ativos publicando conteúdo? – Veja isto e mais um pouco no seguinte infográfico:

 

 

Lições que Você Pode Aprender com Seus Concorrentes

Na década de 1980, houve uma espionagem corporativa, hoje em dia nós temos redes sociais e inteligência de mídia para dar uma visão de nossos concorrentes. Quando se escuta a participação dos nossos concorrentes nas mídias sociais e como seu público se envolve com elas, podemos tomar decisões estratégicas de mensagens de marca.

A concorrência é a espinha dorsal da indústria brasileira, e pode fornecer a estrutura necessária para o crescimento de um negócio. Aprender com as falhas e os sucessos de seus concorrentes é um impulso para sua empresa, que economiza seu tempo, recursos e dinheiro.

Abaixo estão algumas das melhores maneiras que você pode aprender com a sua concorrência. Você pode não ter acesso a todas essas informações, mas você também não precisa de tudo isso. Essas idéias estão projetadas para lhe dar o máximo de vantagem possível.

 

Conheça o Território

Identifique os concorrentes que disputam a mesma arena que você. Divida os seus concorrentes em três grupos: os principais concorrentes são concorrentes diretos para o mesmo público, que oferecem um produto ou serviço similar; Concorrentes secundários oferecem uma versão alta ou baixa do que você oferece, ou oferecem um produto ou serviço similar a um público diferente do que você segmenta; Os concorrentes terciários são aqueles apenas tangencialmente relacionados ao seu negócio. Eles ainda podem ser úteis como potenciais parceiros – ou potenciais ameaças se eles pivotarem.

 

Faça o Papel do Cliente por um Dia

Se você trabalha em uma loja de tijolos e argamassa, descubra quem vende os mesmos produtos que você dentro de um determinado raio. Visite essas lojas e anote suas primeiras impressões. Como você foi recebido? O que se destacou e te surpreendeu? Qual é a configuração e o movimento da loja? Compare suas anotações com seus próprios métodos.

Se sua estratégia é principalmente venda on-line, utilize o Google Adwords ou o SEMRush para obter informações sobre quem poderia te dar aquele empurrãozinho para preciosos “imóveis digitais”. Visite os sites da sua concorrência e entenda o seu comportamento de marketing. Tente localizar a seção de atendimento ao cliente em seu site e interagir com eles. Use o mecanismo de check-out e veja como eles incentivam futuras compras ou técnicas de upselling, bem como seus métodos de pagamento.

 

Verifique a Musculatura dos Concorrentes

O negócio em questão tem uma grande equipe de funcionários relativamente não qualificados ou não treinados ou apenas alguns membros da equipe que são muito eficientes? Se os membros da equipe trabalham a base de comissões, como isso afeta o desempenho deles? Você está sabendo de contratados independentes ou fornecedores terceirizados sendo usados para reduzir despesas gerais? Talvez você não consiga coletar essas informações com facilidade, mas será útil se você puder encontrá-las.

Através de registros públicos, você pode pesquisar ainda mais a propriedade e o histórico organizacional do negócio. Verifique se os meios de comunicação publicaram histórias sobre o negócio. Configure um alerta simples para encontrar onde e quando esta empresa divulga cartas de vendas, campanhas e declarações à imprensa.

 

Compare Finanças

Verificar a saúde financeira da concorrência é uma excelente estratégia de avaliação e benchmark. Números importantes para estar atento e incluir as margens brutas, operacionais e de lucro líquido, bem como salários e remunerações. Quais são as tendências de vendas e rentabilidade dos seus concorrentes? E quais são as suas despesas de marketing como uma porcentagem da receita? Observe as diferenças entre suas finanças e pergunte-se por que essas discrepâncias existem. Como é que a sua concorrência usa o dinheiro de forma mais eficaz do que você e como você pode virar o jogo?

As empresas financeiras geralmente são disponibilizadas através do IRS, do Portal das Finanças e dados do IBGE, por exemplo. Se você ainda tiver problemas para acessar os dados que você precisa para esses recursos, visite a seção de relação com investidores do site do seu concorrente ou associações da sua indústria. Você também pode achar que uma conexão bancária confiável ou um contador de gerenciamento pode esclarecer sobre como você atua no setor usando sua experiência e visão profissional.

 

Precifique Estrategicamente

Você pode ficar tentado a comparar estratégias de preços, especialmente quando você encontra os preços dos concorrentes mais baixos do que você acredita que poderia pagar. Os preços baseados no competidor podem funcionar em um mercado altamente saturado e bem pesquisado.

Saiba que seus concorrentes muitas vezes exageram em suas próprias habilidades para precificar corretamente. Estudos mostram a importância de usar métodos comprovados para precificar de acordo com as possibilidades do cliente. Você também enfrenta a posição inviável de se antecipar frente a todos os seus concorrentes potenciais. Mesmo a melhor previsão perderá alguns concorrentes por causa dinheiro dos consumidores, que é sempre finito e escasso.

Se você basear seus preços nos preços dos outros, também conhecido como preço da concorrência, você corre o risco de seu concorrente reagir à sua reação. Isso pode levar a uma guerra de preços em que ninguém ganha e que de fato pode resultar em perdas caras. Em última análise, você deve manter sua margem de lucro para o seu negócio ter sucesso, e você não deve comprometer esses objetivos para perseguir o que alguém está fazendo no mercado. Se você precisar de ajuda de preços, considere uma equipe terceirizada e qualificada.

 

Compreenda sua concorrência

Faça uma análise SWOT (Forças, Fraquezas, Oportunidades, Ameaças) de seus concorrentes atuais e futuros. Vocês todos estão disputando espaço no mesmo mercado; Como você vai garantir seu pedaço? Considere as empresas – mesmo as globais – que você respeita e admira, e descubra quais práticas elas utilizam que você tem capacidade de implementar.

A mídia social pode ser sua melhor amiga na análise da concorrência. Use uma lista de Twitter privada para impedir que seus concorrentes saibam que você está observando seu comportamento e observe quais postagens recebem o máximo de retweets e gostos. O Facebook Insights possui uma lista de ferramentas disponíveis para você, incluindo a útil seção “Páginas para assistir”. Empresas como Meltwater, Hootsuite e Oktopost permitem que você compare sua estratégia de mídia social com outras empresas como a sua.

Para aprender com seus concorrentes ao ver o que sua comunidade diz sobre eles, peça uma demo de benchmarking.

Forbes Finance Council é uma organização única para os executivos em empresas de sucesso em contabilidade, planejamento financeiro e gestão de patrimônio. Este artigo foi escrito pelo Forbes e foi legalmente licenciado através da rede NewsCred. Por favor direcione todas as perguntas de licenciamento legal@newscred.com.

O Último Mandamento para C-Level: Alfabetização Digital

Mídias Digitais já são uma plataforma para últimas notícias e o lugar onde as crises são geradas e extintas. E inteligência em primeira mão é sempre melhor que em segunda mão, por isso os executivos C-Level devem aprender como exercer com habilidade a autenticação bidirecional e transparência requeridos em mídias sociais.

Como palestrante veterano, eu estou acostumado a falar sobre marketing e suas várias facetas, mas ultimamente um novo tópico tem tido uma demanda muito alta…e está vindo direto do topo: Mídias Sociais para C-Level, porque uma coisa está ficando muito clara, tanto os clientes como os acionistas estão mantendo os executivos em um padrão mais alto: o digital.

Em 2015, um artigo da Harvard Business Revies reportou que 80% dos CEO’s das 50 maiores empresas do mundo foram engajados online e nas mídias sociais. Este é um salto muito alto desde 2010, quando somente 36% dos CEO’s eram “sociais”. No bravo mundo novo de hoje em dia, entretanto, um No bravo mundo novo de hoje em dia, entretanto, um líder forte precisa aprender não só como seguir as correntes do cenário social mas como se diferenciar e prosperar.

Mas, o que exatamente é alfabetização em mídias sociais e como colocar em prática?

 A alfabetização em mídia social é uma nova geração de alfabetização. Ela se expande além de entender as plataformas sociais para tornar a paisagem digital uma parte inerente do seu repertório profissional. Como um conjunto de habilidades, a literacia nas redes sociais pode ser dividida em duas áreas: pessoal e organizacional.

No sentido pessoal, a literacia de mídia social se traduz em criador de conteúdo, curador e conector. Estes três C são os pilares de uma personalidade digital.

A criação de conteúdo é fundamental porque contribui com volume e substância para as muitas plataformas digitais incríveis que temos o privilégio de acessar. Estimula o diálogo, o debate e o intercâmbio criativo. Para estabelecer qualquer nível de liderança de pensamento, o conteúdo é crucial. O meio, no entanto, depende do criador. Por exemplo, pode haver um CEO que ache que blogging seja tedioso e difícil para chamar sua atenção, em vez disso, prefere focar totalmente no Twitter e manter um fluxo de comentários curtos, ou criar um diário visual de marcos de carreira via Instagram ou usar o LinkedIn para se conectar com outros profissionais em sua indústria.

Independentemente do meio, o conteúdo deve ser uma extensão dos valores da marca do executivo. Quer se trate de ativismo ou liderança, tecnologia ou finanças, as mídias sociais são o lugar perfeito para se tornar conhecido por uma paixão ou conhecimentos específicos. Um executivo pode até ter um assistente para transcrever seus pensamentos registrados, mas a linha inferior é: eles devem produzir uma propriedade intelectual significativa.

A Curação é crítica porque, sem curar, o conteúdo torna-se sobrecarregado. O líder de hoje é por padrão um curador. As equipes internas e o público externo são bombardeados com informações, o que significa que o conteúdo fornecido precisa ser intencionalmente escolhido e devidamente contextualizado. Qual coleção de pensamentos, imagens e idéias é mais relevante para uma audiência particular e conjunto de objetivos? Como a informação pode ser filtrada inteligentemente para maximizar o interesse e o impacto?

Uma estratégia de curadoria para um executivo é reunir conteúdo de seus campeões da marca e funcionários. Ao incentivar um caráter da marca compartilhado ao mesmo tempo em que mostra a diversidade, os executivos podem projetar uma imagem vibrante e atraente de sua marca, um talento superior quer trabalhar e todos querem comprar. As Hashtags são uma maneira simples e engenhosa de coordenar a curadoria. L’Oréal e suas hashtags #LifeAtLoreal e #LorealCommunity são ótimos exemplos disso. Ao pedir aos funcionários que compartilhem picos em eventos de empresa e socialização, a L’Oréal conseguiu aproveitar as conexões que já estavam presentes em sua comunidade de funcionários para compartilhar um lado mais agradável da marca com um público mais amplo.

Isso nos leva à conexão. A conexão é crítica porque o que está sendo dito e como, é sempre secundário para quem está falando e para quem é falado. Por definição, um executivo que é um literado de mídia social, é um conector. Eles conectam pessoas a outras pessoas e recursos. A boa notícia é que é mais fácil do que nunca ser um bom networker e preparar o cenário para um acaso estratégico.

Uma das estratégias que permite que Elon Musk ganhe tanta força no Twitter é que muitas vezes lança novidades sobre os principais desenvolvimentos por meio de seu feed do Twitter e responde às perguntas dos colegas Tweeters, independentemente de quantos seguidores eles tenham. Esta abordagem excepcionalmente igualitária pode, ironicamente, ser uma benção para os executivos, que agora podem solidificar sua experiência em seu campo, transmitindo informações exclusivas para um grande número de pessoas.

Além de dominar os três Cs em um nível pessoal, os executivos devem garantir que toda a sua organização seja alfabetizada em mídia social. Embora possa haver um indivíduo – uma CMO ou VP – liderando esses esforços, é importante saber quais as capacidades uma organização, como um todo dinâmico, precisa possuir para prosperar na era digital. Para simplificar, podemos dividir a literacia de mídia social em um nível organizacional em três características: agilidade / adaptabilidade, agregação e autenticidade. Esses três A’s prepararam o cenário para que uma empresa se estabeleça atualizada e inovadora.

A agilidade / adaptabilidade é essencial porque a velocidade da tecnologia é muitas vezes mais rápida que a velocidade do protocolo, o sistema jurídico e a nosso próprio bom senso . Aqueles que conseguirem gerar a próxima onda precisam estar preparados para surfá-la. Em um mundo acelerado, você precisa se mover rapidamente. E, tudo depende de quão rápido você pode se mover. A sua organização permite que você seja ágil em suas decisões, ou existem muitos regulamentos e muita burocracia que o veta de agir rapidamente? A maneira habilidosa e ágil com que Dippin ‘Dots tratou as críticas do Twitter de Sean Spicer na sequência de uma eleição polarizadora é um excelente exemplo de agilidade. Se a empresa tivesse ficado enrolada em burocracia e aprovações, a inestimável oportunidade de PR teria sido perdida.
A agregação é essencial porque, para uma aplicação bem sucedida, é importante saber como as diferentes perspectivas se cruzam. Os líderes de hoje devem perceber que seu sucesso está interligado com o de outros. Eles têm que ser capazes de agregar conhecimento de vários setores (membros do conselho, clientes, imprensa, equipe interna) e depois analisar essas informações para tomar as melhores decisões possíveis. Os líderes alfabetizados em mídia social também percebem que, do ponto de vista das comunicações, não há nada linear. Marketing, branding, como a informação flui, todos são multi-touch e multi-pontos, e temos que medir e responder de acordo.

Finalmente, a autenticidade é essencial porque cada empresa representa um corpo de pessoas e essa é a base de seus outros relacionamentos. A transparência não é uma palavra-chave na web. É a marca registrada de uma rede aberta, bem como um grande construtor de confiança. Além disso, nada permanece escondido para sempre. Executivos inteligentes entendem e aceitam isso.
Eles são autênticos na voz (como eles se comunicam com as pessoas on-line? Qual o tom), são políticos (Ótimo, mas olha só, eles falam de uma maneira que as pessoas entendem.), promovem cultura (Todo mundo é um campeão ou um crítico – e isso vem De dentro). E eles agem (eles geram a conversa?).
Se tudo acima fosse usado como uma lista de verificação, como você ou outros membros do time C-Level da sua empresa estariam? Nos próximos anos, a literacia das mídias sociais deixará de ser um bônus adicional e passará a ser uma necessidade absoluta para qualquer executivo dominar. Para que ele possa escalar a escada corporativa.

Para começar a desmistificar as conversas de mídia social em torno de eventos e marcas, os Alertas Executivos podem ajudar.
Este artigo foi escrito por Shama Hyder da Forbes e foi legalmente licenciado através da rede NewsCred publisher. Dirija todas as questões de licenciamento para legal@newscred.com.

 

O Marketing Boca a Boca É Importante: Veja Porque.

Influenciar, indicar e fazer marketing nas mídias sociais não são sinônimos, mas são a aspectos chave para um antigo modelo de marketing, o marketing boca a boca.

Como o Marketing Boca a Boca se Encaixa Atualmente?

 A Buzz é virtualmente indistinguível do boca-a-boca orgânico, pois tem o mesmo objetivo de espalhar idéias (ou para nossos propósitos, mensagens de marketing). O boca-a-boca orgânico é quando um amigo vai a um ótimo restaurante, está entusiasmado com a refeição e, em seguida, delira sobre sua experiência gastronômica. Da próxima vez que você estiver procurando por um lugar para jantar, você pode considerar jantar lá, especialmente se você confia em seu amigo. É uma recomendação forte de uma fonte confiável que o estimula a agir. Com o Buzz é parecido, mas normalmente tem início em um departamento de comunicação corporativa. Pegando o exemplo acima, seu amigo, um escritor local de comidas, é convidado para uma refeição exclusiva para blogueiros no mesmo restaurante. Enquanto aprecia a refeição, ele tira fotos do espaço, da comida e de outros blogueiros. Ele também twitta e posta no Instagram e mais tarde, ele posta no blog sobre sua experiência.

A agência de PR do restaurante, organizou o evento, criou as hashtags e chamou seu próprio fotógrafo para tirar fotos. Durante o evento, você vê os posts do seu amigo, você clica na hashtag e vê outros posts de participantes. O prato de comida parece delicioso e os tweets mencionam como foi tudo ótimo no evento. Para você, como um consumidor, esta mensagem de marketing é processada da mesma maneira do que se seu amigo tivesse mencionado isto em uma conversa. Os mensageiros do Buzz oficial são selecionados com muito cuidado; seus influenciadores são tipicamente cultivados e eles podem ajudar a chegar em uma demografia ou persona específica. Estes influenciadores são atraídos por incentivos sociais ou financeiros para serem parte de uma campanha de Buzz.

 

 

O Buzz é importante?

 Buzz na forma de referência, influência ou marketing de mídias sociais é importante porque tem se mostrado um fator importante e que faz diferença nas decisões de compra do consumidor. Tendência! Este ano o Harris Poll and Ambassador  descobriu que quando consideram uma compra, 82% dos americanos buscam por recomendações de amigos e familiares, este número aumenta para 90% para aqueles que também são pais.

Referência, influência ou marketing digital são facetas do boca a boca moderno. Nós distinguimos entre eles para diferenciar entre o ponto inicial de ativação de mensagem. Frequentemente você pode receber uma mensagem Buzz de um amigo que você segue (referência), um jornalista, um blogueiro ou celebridade (influenciador), ou diretamente da marca em si (marketing de mídias sociais).

buzz

Pense em Marketing nas Mídias Sociais como Marketing Boca a Boca.

  1. Bem como esquema Ponzi, a mídia social é exponencial. Seu conteúdo tem o potencial para alcançar dezenas de milhares de pessoas com um esforço mínimo de sua parte. Com cada broadcast social bem sucedido, você pode ter o potencial de se tornar viral. Se uma peça de conteúdo alcançar um ponto de inflexão social, você ganhou uma mídia espontânea que não tem preço.
  2. Amigos e fãs nos canais sociais frequentemente seguem pessoas e marcas cujas idéias eles possuem interesse. Isto pode ser específico por plataforma, por exemplo: um escritor perspicaz que você segue no Twitter pode ser um fotógrafo horrível, que só tira fotos do seu cachorro, então você pode escolher não seguí-lo no Instagram. As pessoas que você quer seguir podem ter uma conta privada no Facebook, que você não pode ver publicamente, mas eles também podem ter um canal do Youtube onde eles fazem reviews de livros e você pode se inscrever para ver seus comentários. Para você, eles poderiam ser influentes no Youtube e no Twitter, mas não fazer parte de suas comunidades no Facebook e Instagram. Então se eles lançam um Buzz para comida de cachorro no Instagram, a menos que eles cross-promovam no Twitter ou Youtube, você não ficará sabendo. Isto dá à eles a oportunidade de fazer uma apresentação quente (contrário de fria) para sua nova audiência e comunidade.
  3. Ainda que nós desenfatizemos a importância das impressões como uma métrica, elas ainda significam alguma coisa. De acordo com o Salesforce, leva pelo menos seis diferentes constantes de consistentes pontos ao longo de uma jornada de cliente até que ele se torne um lead. Então, quando os membros de sua comunidade se esforçam para mencionar você para um amigo ou compartilham seu conteúdo nas redes sociais, eles estão agregando outros possíveis leads para seu funil de vendas.
  4. E coincidentemente, o ato de proselitismo também pode empurrar o proselitismo para dentro do funil. Explicar a delineação dos aspectos positivos de um produto a um terceiro pode ter efeitos auto persuasivos que não devem ser ignorados.
  5. Como muitas coisas relacionadas à conversão de vendas, pode ser um jogo de números. Você provavelmente terá mais cliques em seus CTA’s se mais pessoas lerem seu conteúdo. Então, ter conteúdo em várias frentes e que atinja o maior número de globos oculares possível irá, inveitavelmente aumentar sua taxa de conversão.

 

Conclusão

Receber a palavra através da influência, referência e do marketing de redes sociais são aspectos essenciais em qualquer programa de marketing moderno. Mas é apenas o começo. Impressões sobre mensagens não necessariamente converterão uma comunidade. E os objetivos comerciais são o objetivo final. Ainda assim, as mensagens de marketing boca a boca que são ativadas e aprimoradas trarão os números que você precisa e, eventualmente, alguns desses olhos atingidos, serão os corretos no momento certo.

Se você está interessado em reforçar suas campanhas Buzz e ter influenciadores a bordo, baixe nosso webinar gratuito, Alcance seu Público (Em Inglês). Saiba como ser estratégico ao contatar os mais preparados para transmitir a sua mensagem.