REDES SOCIAIS: O fator que estreita ainda mais a linha entre relações públicas e marketing

Bem vindos ao novo mundo das relações públicas, mais conhecido como PR 2.0

Nos últimos anos e devido à rápida importância que as redes sociais têm ganhado, estas têm deixado de ser de gerenciamento exclusivo dos departamentos de marketing digital para se converterem em uma das atividades estratégicas da área de relações públicas.

Hoje em dia, nas agências de relações públicas temos visto a necessidade de incorporar rapidamente ao seu portifólio de productos, o gerenciamento e expertise das técnicas de administração das redes sociais e outras plataformas digitais, avançando nossa prática ao conhecido PR 2.0.

A boa noticia é que tudo parece indicar que cada vez mais as empresas terceirizam para as agências de PR o gerenciamento de suas plataformas digitais para asuntos de comunicação corporativa e cada vez mais de produtos e serviços. O objetivo disto é garantir que toda a informação e mensagens chave em suas plataformas digitais, estejam perfeitamente alinhadas e que através delas consigam comunicar e interagir com seus diversos públicos, com sucesso.

E se isto não é uma tarefa simples, mas possível, seguem os seguintes conselhos.

Oportunidade e caminos do PR 2.0

Para várias agências, o adaptarse à esta nova tendencia do PR 2.0 tem significado um caminho, mas as agências que estão se arriscando, já têm conseguido bons resultados ou aquelas que se encontram no processo, estão começando a vê-los.

Isto tem lhes demandado a capacitação da equipe que já existe e contratar um novo “staff”que conte com outras habilidades, mas no fim das contas, se trata de desenvolvimento de estratégias de comunicação assertivas no ritmo do cliente, já que tudo se trata de desenvolver uma interação adequada e eficiente entre os executivos da agência e o cliente.

O que é uma realidade é que a rotina das empresas variam e no caso do gerenciamento da comunicação de algumas marcas e de seus produtos, esta prática demanda da agencia um conhecimento mais profundo de suas marcas e seus consumidores, inclusive poderia se dizer que nestes casos, esta evolução do PR estreita ainda mais a linha que divide Relações Públicas e Marketing, pelo entendimento tão específico de seus diversos públicos ou consumidores.

Os aspectos do consumidor que um executivo do PR 2.0 não pode ignorar e pelo contrario, deve levar em conta o tempo todo, são:

Conhecer os fatores externos que impactam o consumidor, como por exemplo:

  • Como esta pessoa mudou?
  • O que ela busca?
  • (Acima de tudo) – Onde está nosso consumidor alvo?

 

Em poucas palabras, é crucial conhecer muito bem o cliente para saber seus gostos e preferências melhor do que ninguém. Dentro do que hoje em dia se observa como uma constante, é que o consumidor se encontra com uma atitude muito mais ativa do que antes, ele se encontra em uma busca de conteúdo de seu interesse e de experiências.

Algo muito importante que deve se ter em conta, pe que atualmente o consumidor está mais empoderado do que nunca.

No PR 2.0, os consumidores se transformam justamente em meios ativos de comunicação que não só podem ser receptores do conteúdo que é gerado para eles, mas também que podem interagir com ele e tornar pública sua opinião da maneira que lhes pareça conveniente.

Isto significa uma evolução total da maneira tradicional na qual se vinham efetuando as campanhas tradicionais de Relações Públicas, onde se podía dizer que a informação implementada era mais unidireccional, da empresa para o consumidor.

Com as novas plataformas digitais, esta informação se torna bidirecionada, o que significa que o consumidor ao fazer uso das novas ferramentas sociais, já pode fácilmente reagir e contestar qualquer mensagem ou informação sobre o que a empresa comparte ou não e ao mesmo tempo replicar à sua rede de contatos.

 

Um caminho sem volta

Apesar dos desafíos que isto tem significado, tudo parece indicar que as agências de PR têm se entendido bem com os consumidores e públicos-alvo, de acordó com uma pesquisa conduzida pela empresa The Creative Group, mais da metade (51%) dos 400 executivos entrevistados dizem que os departamentos de relações públicas e comunicações são os mais adequados para gerenciar o canais corporativos de redes sociais. Isto corresponde a um aumento de 12% sobre o número de executivos que favoreceram aos funcionários de relações públicas e comunicações por esta responsabilidade, em um estudo similar conducido há dois anos.

Este ano, os executivos preferiram os profissionais de relações públicas nos departamentos de marketing (28%, menos do que os 35% de dois anos atrás), as equipes de serviço ao consumidor (9%, menos do que os 15%) e os diretores gerais e empresarios (5%). Entre os entrevistados, 7% disse   “outro”, ou “não sabe”.

Então, está na hora de se familiarizar com estas últimas tendências para poder tirar o maior proveito de seus esforços em relações públicas.

Este artigo foi escrito por Janet Rodriguez, Fundadora e Diretora Chefe da Agência Trends Bureau, em colaboração com a Meltwater.

Se quiser saber como otimizar seus esforços em redes sociais, clique aquí.

 

 

O Guia para Configurar Indicadores Chave de Desempenho (KPI’s) para sua Equipe e Empresa

Como muitas equipes de RRPP e marketing se focam na distribuição de indicadores chave de desempenho (também conhecidos como KPI’s – Key Performance Indicators em Inglês) para campanhas e esforços de marketing, a escolha de quais métricas são adequadas para informar se torna esencial. Dependendo das expectativas dos membros da equipe, os indicadores chave surgirão.

A maioria das pessoas que gerenciam um negócio ou parte de uma grande empresa lutam quando se trata de estabelecer indicadores chave de desempenho (KPI’s).

Aqui estão três passos para estabelecer estes indicadores para sua equipe:

  1. Pergunte pelo que a pessoa é responsável e em que ela quer se concentrar.
  • Revise sua descrição de posição e ajuste-a se for necessário
  •  Se não existir uma descrição de posição, escreva para eles uma descrição da sua posição.
  •  Indentifique 5-7 áreas chave de responsabilidade
  •  Resuma a razão principal pela qual você tem esse papel em sua empresa.
  • Por um acaso existe alguma iniciativa neste ano para se focar nas melhoras ou desenvolvimento de áreas chave da sua empresa? Se algum deles for relevantes para uma função em particular, inclua na sua lista de 5-7 áreas chave de responsabilidade.
  •  A esta altura você já debe saber em qual indicador deseja que a pessoa se foque. Os indicadores chave se rendimento se focam nos resultados chave importantes.
  1. Você também pode perguntar quais são as responsabilidades das pessoas mais importantes que terão o maior impacto no negócio.
  •  Por exemplo, para um administrador de contas, o indicador principal poderia ser a retenção e o crescimento do clienteç Pode ser específicamente a retenção dos maiores clientes em sua carteira.
  • Para um Gerente de Operações, poderia ser a melhora do processo central para reducir o custo dos bens.
  • Para um Gerente Financeiro, é predominante o cumprimento das regulações e a proteção da empresa sobre uma situação de risco.
  • Para qualquer funcionário, pode ser a responsabilidade de um projeto ou iniciativa especial que possa ser relevante para um ano em particular e que não é parte de suas responsabilidades em curso.
  • Um indicador chave de desempenho (KPI) também pode se referir a um problema que deve ser resolvido dentro de um certo prazo, por exemplo, mudança do sistema de gerenciamento de seu negócio sem nenhum inconveniente.
  1. Quantos KPI’s é preciso fixar/configurar?
  • Dependendo do alcance, a dificuldade e o range de tempo dos indicadores e também do papel da pessoa, em geral se estabelecem entre 2-5 indicadores no máximo.
  • Sempre estabeleço medidas quantificáveis e qualitativas. Os indicadores DEVEM ser possíveis de ser medidos.
  • Se faltaram R$100.000,00 para um vendedor para poder alcançar um milhão em vendas, você deve decidir se reconhecerá se ele conseguiu o indicador ou não.
  • Se uma pessoa de vendas conseguiu 1,5 milhões de dólares em novos negócios,  quando o indicador pedia um milhão de dólares, mas sua atitude é prejudicial para o time, é possível que não cumpra com a qualidade dos indicadores chave que você está implementando para esta pessoa.
  • As métricas de comportamento e atitude poderiam incluir coisas como a colaboração demonstrável com o resto da equipe em qualquer situação e/ou contribuição em todos os temas da agenda estratégica do ano. Quanto mais estritas são as medidas qualitativas, geralmente  melhores e mais rápidas são as identificações de se um membro da equipe pode causar um problema para o resto da organização.

 

Transformado os indicadores da equipe em indicadores da empresa

Eu normalmente incorporo os indicadores chave mais importantes dos meus relatórios diretos no painel geral da empresa como indicadores que rastreamos, junto com os indicadores financeiros chave e medidas de marketing.

É um pouco circular porque é crucial saber o que o negócio precisa alcançar e se centrar e isto se traduzirá em indicadores chave para os membros responsáveis pela equipe. Isto logo se vê refletido nos painéis de controle dos executivos e na empresa como um todo.

A outra coisa importante destes indicadores chave de desempenho (KPI’s) para sua equipe é que torna as reuniões presenciais mais fáceis, já que você tem métricas claras para discutir e manter no foco de sua equipe sobre o que precisa ser feito.

Como as equipes de RRPP e de marketing se focam nas análises de dados e entrega de indicadores para suas campanhas e esforços de marketing, se aprofundar em métricas adequadas é esencial. Dependendo dos deveres dos membros da equipe, seus indicadores surgirão por apoiar estas ações. Para começar a avaliar os dados corretos, dê uma olhada no nosso infográfico sobre.

Este artigo foi escrito originalmente em Jenny Stilwell e foi escrito por Jenny Stilwell de Business2Community. Este artigo também foi legalmente licienciado através de publicadores NewsCred. Por favor dirija todas as perguntas de licença a legal@newscred.com.

 

5 Passos para o Sucesso das Relações Públicas com um Propósito

Dar aos consumidores uma experiencia para comprar, é a chave para uma relação duradoura. E como já sabemos, as relações públicas se baseiam nas relações, por isso investir em RRPP orientado à um objetivo dá uma dimensão a mais à sua marca.

Os clientes não buscam somente comprar algo. Eles buscas obter algo mais do que um produto e ese valor adicional, é sua marca que dá. Os clientes precisam de algo a mais do que somente um bom produto, para desenvolver uma lealdade com sua marca e 90% espera que as empresas operem com responsabilidade para abordar temas sociais e ambientais. 64% dos consumidores dizem que preferem comprar productos socialmente responsáveis sempre que seja possível.

Como resultado, muitas empresas têm executado campanhas de relações públicas orientadas a um objetivo. Algumas como o “Desafio do Balde de Gelo”da ALS, foram muito bem recebidas. Outras como a campanha de comida do Walmart para alimentar seus próprios funcionarios (aparentemente mal pagos) ou a campanha “retweet para dar café da manhã à uma criança carente”, da Kellogg, fracassaram e realmente prejudicaram a marca.

Adam Fridman, fundador da empresa de mídia digital Mabbly, com sede em Chicago, recentemente entrevistou 500 empresas nos últimos 14 meses. A partir das respostas, determinou que ao executar com sucesso as campanhas de relações públicas orientadas por um processo, está usando os seguintes passos para descobrir, acreditar, perceber, expressar e melhorar as histórias que contam.

Descubra quem você é

Em seu Ted Talk de 2009, entitulado “Comece com o Porquê”, o orador motivacional e autor Simon Sinek, definiu um conteito que ele chamou de “Círculo Dourado”. Trabalhando de fora dele, o círculo tem três níveis: o que, como e porque. Sinek explicou que cada empresa sabe o que faz e algumas delas sabem inclusive como fazem. No entanto, muito poucas sabem o porquê estão nos negócios.

O “porquê” diz muito sobre o seu produto e marca e descobrir autenticamente seu propósito de existir é um passo fundamental para executar uma campanha de sucesso. “O PR que é impulsionado por um propósito é como ir a um encontro, disse Fridman. “Você quer construir uma relação autêntica com seu público, mas como você pode conseguir isso sem nem ao menos saber quem você é?”

Acredite no seu propósito

Antes de começar a contar sua história, você deve descubrir seu propósito e acreditar que o que você está proporcionando pode trazer de volta o valor para a vida dos demais. Uma marca com um compromisso claro pode comunicar a visão da empresa ao invés de usar uma descrição do que a empresa está fazendo. “Você tem que tomar uma decisão consciente de comunicar o que você acredita”, disse Fridman. “Se você acha que é difícil acreditar em você mesmo, talvez seja necessário voltar ao primeiro passo e descobrir um novo propósito. “Esta estratégia não só venderá tangencialmente o seu produto, mas também ajudará a construir relações duradouras com seus clientes e ganhar a confiança dos mesmos.

Motive sua equipe

Se o propósito é uma vela, então a cultura da empresa é a chama. Para poder executar uma campanha de relações públicas bem sucedida, você deve ser capaz de entender os talentos e a paixão de sua equipe interna. As empresas com funcionarios compromentidos superam a concorrência em até 202%; Esta é uma vantagem que você não pode perder por nada nesse mundo.

“É importante que sua empresa, sua tribo, esteja alinhada com seu propósito”, disse Fridman. “Se você não consegue comunicar sua paixão com sua tribo, como você poderia conseguir comunicar com seu público?”
Desenvolver uma cultura de confíança de marca é só mais uma maneira de garantir que as pessoas associam qualidade à credibilidade com sua empresa. Além disso, se você não pode vender a causa para seus próprios funcionarios, como você vai vender para seu público?

Expresse seu propósito

Tão logo você e sua tribo estiverem alinhados com um propósito, você estará pronto para contar a história da sua empresa e iniciar uma campanha de relações públicas. No entanto, a expressão de propósito é uma tarefa sem efeito se sua mensagem cairem em ouvidos surdos. Você precisa ter a consciência de quem está escutando e o que é mais importante, quem quer te escutar.

Além das suas estratégias de base, existem algunas coisas que você deve se perguntar antes e depois de executar uma campanha de relações públicas:

  • Nós estamos nos aproximando do público correto? Saiba quem está prestando atenção à sua mensagem e se a mensagem é correta para eles.
  • Estamos nos comunicando através dos canais adequados? Identifique a maior concentração de seu público alvo e aonde estão buscando obter sua informação.
  • Estamos comunicando uma mensagem que está ressoando? Se você identificou os dois primeiros pontos, mas ainda não está produzindo resultados, sua história pode não ser suficientemente convincente.

O objetivo de todas as campanhas de relações públicas bem sucedidas é contar uma história innovadora que cria uma conexão humana com seus clientes potenciais.

Melhore seus resultados

Atualizar o propósito da sua marca é sua chave definitiva para o sucesso. Mas não há uma linha de meta para esse esforço: manter a confiança em seu propósito é uma tarefa que requer uma melhora contínua. É um ciclo interminável de perguntar “Ainda acredito?”

Com o tempo, você pode inclusive encontrar a necessidade de ajustar qual é o seu “porquê”. Pode ser que o interesse do seu público no que você tem a dizer está diminuindo. Talvez nunca tenha sido expressado em primeiro lugar. O caminho consiste em se adaptar constantemente ao seu entorno compreendendo onde se encontram os valores do seu cliente e logo alinhar seu propósito ou causa com este valores.

Os clientes esperam muito das empresas que apoiam. Isto cria uma oportunidade para fazer sua campanha de relações públicas bem sucedida e fazer uma diferença real no mundo. “A forma em que as empresas comercializam a si mesmas é completamente diferente agora”, diz Fridman. “Hoje em dia, a chave se aproxima de como está o mundo para marcar a diferença ao invés de como vender o produto.” Leva tempo para descobrir, acreditar, motivar, expressar e melhorar sua história de marca, Fridman disse e você verá que finalmente seu propósito se mostra por si só.

Este artigo foi escrito por CherylConner de Forbes e está legalmente licenciado através da rede de publicadores NewsCred. Por favor encaminhe todas as perguntas de licença para legal@newscred.com.

Criando uma Representação do seu Cliente Ideal (Definição de Persona)

No mundo do marketing moderno, o método de Definição de Personas é a criação de perfis fictícios, mas extremamente realistas dos nossos clientes. Estas refletem características como atributos pessoais, objetivos, motivações, atitudes e mais.

Porque utilizar este método de Definir Persona?

O método de Definição de Persona é uma forma mais profunda de entender nossos clientes, comparando com a investigação tradicional e os métodos demográficos. Este método nos permite criar estratégias mais personalizadas, portanto um impacto positivo na experiência do cliente.

Então. Como podemos criar estes personagens?

1. Comece com dados demográficos básicosComienza con datos demográficos básicos
É importante conhecer as características demográficas básicas, como idade, o sexo, a ocupação e a localização. Se bem que não devemos supor nada sobre o perfil dos clientes baseados em dados demográficos por si só, já que estes só nos proporcionam informação inicial. A forma de chegar aos clientes para encontrar mais detalhes íntimos sobre eles vai depender da idade e posição em que se encontrem. Também, é bom planejar com tempo suficiente as perguntas que queremos fazer a estas pessoas e o que queremos saber sobre elas. Nós podemos encontrar dados demográficos usando pesquisas, acessando uma plataforma de monitoramento de mídias sociais como Meltwater Engage, ou vendo com detalhes quem são nossos clientes atuais.

Mas, a cartografia de personas não termina por aí!

2. Decida o que é preciso saber sobre seus clientes

Agora, precisamos ser claros sobre o tipo de informação adicional queremos utilizar no nosso método de Definição de Personas e quão profundo queremos ir. LEMBRE-SE: quanto mais detalhes, mais centrada e personalizada nossa experiência com o cliente pode ser.

Aqui existem alguns exemplos de perguntas para considerar:

  • Quantas horas trabalham?
  • Que telefone usam?
  • Utilizam as redes sociais? Para que?
  • O que os desafia nos seus papéis atuais?
  • Quais são suas metas profissionais?
  • Como é um dia normal de trabalho?
  • Quais são seus valores?
  • Que tipo de experiência de compra o cliente está buscando?

Existe uma série de formatos por aí que têm tipos de perguntas que devemos fazer. Te recomendamos tentar o seguinte para te guiar:

O Fantástico Gerador de Personas – GeradordePersonas.com.br

O mapa da empatia no Marketing – VitaminaPublicitaria.com.br

(Veja a imagem abaixo. Fonte: VitaminaPublicitaria.com.br)

3. Cave mais Fundo

Encontrar detalhes mais íntimos sobre nossos clientes nos dá uma base muito melhor para direcionar nossas comunicações do que se forem trabalhadas com base em suposições superficiais sobre gênero e idade.

As ferramentas de monitoramento de mídia podem nos ajudar a entender os temas de conversas, tonalidade e as redes sociais com as quais nosso público interage. Também podemos aprender mais sobre os influenciadores com os quais nosso público alvo interage, o que eles lêem, falam e como se comunicam. Isto pode nos dar uma maior compreensão de monitoramento de mídia, grupos focais e pesquisas que nos proporcionem uma visão geral do nosso mercado.

4. Rastreie os concorrentes

Faça acompanhamento dos seus concorrentes para ver para que lado estão se inclinando. Isto nos ajuda a permanecer por dentro das últimas tendências da industria; Por exemplo, mantenha –se em dia sobre o que estão fazendo para que possa detectar facilmente novas oportunidades de mercado ou ameaças ao investir dinheiro em reuniões redundantes. Podemos fazer isto olhando seus blogs e redes sociais. A que tipo de personas se dirigem? Por exemplo, as publicações em seu blog como, “Como impressionar como um praticante de marketing”, são um presente para sabermos à que estão se dirigindo.
Como mencionamos anteriormente, também podemos usar o monitoramento de redes sociais para aprender sobre as experiências positivas e negativas dos clientes dos nossos concorrentes, do que reclamam ou comentam? Ao aprender mais sobre nossos potenciais clientes, podemos adaptar melhor nosso foco de experiência ao cliente para nos destacar perante a concorrência.

5. Analisar Traços

Una vez armados con estos detalles, podemos comenzar a agrupar rasgos de personalidad juntos. Trata de evitar volver al enfoque “básico”, como agrupar a todos los gestores de marketing, a los hombres, a los que no están casados. Con toda la información que hemos recopilado, podemos crear un número de personas específicas por intereses comunes, estilos de vida y roles laborales. Simplemente mantener un registro de respuestas recurrentes nos permitirá comenzar a agrupar rasgos.
Uma vez armados destes detalhes, podemos começar a agrupar traços de personalidade juntos. Tente evitar voltar ao foco “básico”, como agrupar todos os gestores de marketing, entre os homens, os que estão casados. Com toda a informação que temos compilado, podemos criar um número de personas específicas por interesses comuns, estilos de vida e papéis corporativos. Simplesmente manter um registro de respostas recorrentes nos permitirá começar a agrupar traços.

6. Revise cada persona com uma lista de revisão

Alex Cowan – empresario americano, assessor e perito em CRM (Customer Relationship Management – Em portugués: Gerenciamento de Relações com Clientes). Ele criou um monte de conteúdo útil que rodeia a cartografia de uma persona. Seu método de “React”, como mostramos a seguir, é uma grande lista para comprovar se temos sido suficientemente profundos com nossa Definição de Personas.

– Real: Ter certeza que nossa persona representa os clientes que temos atualmente, não os que queremos. Além disso, não crie arquetipos convenientes, tenha certeza de que persona se baseia em uma investigação substancial.
– Exata: Da mesma forma que no ponto anterior, garanta não generalizar quando você estiver criando uma persona específica. Por exemplo, não presuma que a maiora dos seus clientes só estão na categoria “homem 40-45”.
– Acionável: Por um acaso seremos capazes de criar uma estratégia de cliene baseada na persona que temos? Se não é necessário aprofundar mais para examinar mais sobre cada persona.
– Claro: Alguém poderia entender à persona? Seriam capazes de contar uma história sobre o dia na vida da Persona? Se não podem, então temos que voltar a tornar isto possível.
– Experimente: Teste os personagens no campo. Talves voltar a entrevistar os sujeitos e perguntar se sentes que as Personas os representam. Outra maneira de testar personas seria através de vigilância dos meios de comunicação. Adaptar as estratégias de comunicação aos novos personagens. Veja como seu público alvo está reagindo à comunicação. Tem mais gente comprometida? O sentimento por suas marcas está mais positiva?

Bom, isto deveria ser suficiente para começar o processo de Definição de Personas. Lembre-sede que a persona terá que ser atualizada regularmente para garantir que continuem sendo relevantes. Uma ves que tenhamos uma melhor idéia a quem estamos nos referindo, o mapeamento do conteúdo de cada indivíduo e seu ciclo de vida se torna muito mais fácil. Mais informações sobre atribuição de conteúdo em nosso Ebook.