Construir uma estratégia de mídia social em 10 etapas fáceis – Parte II

E assim nós continuamos a nossa aventura na Terra de Oz, e terminamos a construção da nossa própria estrada de tijolos amarelos com os últimos 5 passos para a construção de uma estratégia de mídia social. Para quem perdeu os primeiros cinco passos, o post pode ser encontrada aqui.

6- Construir uma comunidade

Quando se trata de nosso seguimento sociais, lembre-se que a qualidade é melhor que quantidade. Pode levar algum tempo para construir uma comunidade bem-sucedida que é orientada e rica em engajamento. Nós todos temos que começar de algum lugar e as dicas abaixo podem ser úteis na hora de escolher nossa estratégia de mídia social do chão:

  • Usar hashtags relevantes
  • Compartilhar conteúdo em grupos-alvo no LinkedIn
  • Seguir aqueles que seguem você
  • Interagir com influenciadores da indústria

Todas estas coisas são mais fáceis de encontrar com uma ferramenta de inteligência de mídia (hey, nós somos ums desses) que o ajuda a encontrar exatamente o que você precisa encontrar.

7 – Seja social sobre sociais

Desde a evolução das mídias sociais, é muito mais fácil e mais rápido para o nosso público entrar em contato conosco diretamente. Muitos de nós temos a tecnologia a mão, seja em nosso telefone, tablet ou computador. Por conseguinte, devemos integrar serviço pós-venda em nossa estratégia de mídia social. Podemos até usar social como um grupo de foco, conforme explicado em um blog anterior, escuta social pode descobrir todos os tipos de tendências para informar a nossa estratégia de mídia social. Que melhor maneira de manter a nossa audiência do que envolvê-los nas decisões.

8 – Use a mídia social para gerar leads

Geração de leads também pode ser cumprida com uma estratégia de mídia social bem pensada. Isso não significa dizer que deveríamos estar deixando escapar arremessos de vendas na social. Em vez disso, com o uso de ferramentas de inteligência de mídia, somos capazes de encontrar perspectivas e encaminhá-las para páginas de destino. Certas soluções de software também pode acompanhar as pessoas através de nosso funil de vendas.

9 – Medir o sucesso de mídia social estratégia

Então, como vamos saber se a nossa estratégia de mídia social está funcionando? Ao analisar os dados, por exemplo pós click-throughs, impressões de marca e níveis de engajamento. Podemos, então, ajustar a nossa estratégia de mídia social – se necessário – de acordo com os resultados. Uma chave para o sucesso de estratégia de mídia social é encontrar os ingredientes certos e diferenciar. Mais fácil dizer do que fazer? Não necessariamente! Se temos informações específicas sobre o nosso mercado, suas tendências e influenciadores, a missão se torna muito viável!

10 – Leve o seu tempo

Como se costuma dizer, falta de plano e está planejando a queda. Construir uma estratégia de mídia próspera leva tempo, mas se algo é facilmente alcançado não é tão valioso, certo? Se estamos equipados com as melhores ferramentas, alcançar o sucesso é cada vez mais possível. Mas, afinal, o que nós realmente precisamos é de tempo, paciência e prática.

Onde é que PR pertence na Cachoeira de Marketing?

Métricas e a Cachoeira de Marketing

Marketing é agora capaz de controlar quase todas as atividades na jornada do comprador e conectá-lo à receita. No 2015 Marketo Marketing Nation Summit, que foi realizada na semana passada em San Francisco, eu participei de sessão após sessão sobre os prós e contras dessas métricas. Alguns dos conceitos incompreensível sendo discutido incluem a medição primeiro toque vs atribuição de multi-toques, pipeline de influencia pelo marketing, e a importância da coerência do fluxo de liderança.

Por que eles eram incompreensíveis? Porque o marketing costumava ser considerado um centro de custo, um departamento distorcido que todos apenas assumiam que ajudaria a movimentação do negócio. Nós investimos nisso e mantivemos os nossos dedos cruzados que haveria uma recompensa. No entanto, graças à onipresença da Internet e seu papel generalizada no comércio global, isso não é mais o caso. Marketing tornou-se centro de receitas e nós temos os números para provar isso. Em vez de falar sobre o custo por liderança, o marketing pode apresentar receita por liderança e fazer um caso real para si ao redor da mesa executiva e ao apresentar ao conselho.

O único assunto que não ouvi muito sobre a cimeira do Marketo foi PR. Saí perguntando, é a única disciplina dentro do departamento de marketing que não pode ser diretamente envolvida na demanda gen marketing de cachoeira? Os comerciantes podem rastrear sua influência sobre SEO e seguir sites de liderança ao longo da sua jornada para a receita. Alguns com ebook ou whitepaper downloads, registros de webinar, participantes do evento, e até mídia social compartem por meio de tráfego de referência. O impacto do e-mail marketing e publicidade on-line também pode ser limpamente rastreados de volta para reservas.

Mas o que dizer PR?

Você vai notar que eu não mencionei PR em relação à comercialização de cachoeira de métricas. Está PR condenado a ficar de fora, ou podemos corrigir isso? Por agora PR pode monitorar todos os meios de empresa mencionados; medida de propriedade, ganho, e mídia paga; e ver o quão bem cada um está fazendo. PR pode montar relatórios que mostram a quantidade destas menções, avaliar a sua qualidade utilizando dados de leitores on-line, e zero em caso essa actividade está acontecendo ao redor do mundo. PR pode usar as mídias sociais como um canal e controlar alguns dos seus impactos dessa forma (ou PR é agora social, isto é uma discussão para outro dia). E PR pode comparar todas as opções acima ao da concorrência, e definir partes realista de benchmarks de voz como parte de suas metas trimestrais. Há realmente grandes ferramentas para ajudá PR fazer tudo isso, é claro, nós até mesmo vendemos um.

Como a demanda gen comerciante, eu adoraria ser capaz de medir o impacto do PR no tráfego do site. Falei recentemente com o nosso chefe de PR sobre isso. Por agora, podemos ver que perspectivas clica diretamente ao nosso site a partir de um link em uma menção de marca ou um comunicado de imprensa da empresa. Esse é, pelo menos, um passo na direção certa.

Construir uma estratégia de mídia social em 10 etapas fáceis – Parte I

Eu não sei quanto a você, mas a palavra “estratégia” me fazia pensar automaticamente em algo demorado. Bem, eu não estava errado! No primeiro post da nossa série parte 2, nós repartimos os detalhes sobre como construir rapidamente uma estratégia de mídia social bem-sucedida em 5 passos fáceis.

1 – Quais são as nossas metas de estratégia de mídia social?

Antes de colocar o primeiro tijolo para o sucesso na estratégia de mídia social, precisamos de um plano em prática. O que é o nosso objectivo? Talvez seja a crescer a nossa comunidade, engajamento ou promover um novo serviço. Seja qual for o objetivo, não se esqueça de manter isso na vanguarda da estratégia de mídia social sempre. Seja realista ao definir um cronograma para atingir os objetivos. Ele pode levar um longo tempo para construir um grande número de seguidores dos seguidores relevantes sobre temas sociais, a palavra-chave relevante. Não comprometa a qualidade pela quantidade e lembre-se de que as coisas boas vêm para aqueles que esperam.

2 – Quem é a nossa estratégia de mídia social segmentação?

Devemos conhecer o nosso público dentro para fora. Quem são eles? Onde é que eles vivem? O que eles gostam? Qual é a publicação favorita deles para ler? Plataforma Media Intelligence da Meltwater nos permite escutar social, de modo que podemos ver principais temas positivos e negativos falados por nosso público e nossa indústria – então podemos adaptar a nossa estratégia de oferta e mídias sociais para a demanda.

Depois de pesquisar o termo Asos, podemos ver aqueles falando sobre a marca em mídias sociais que estão interessados em promoções e códigos promocionais – especialmente via Unicodes. Isto sugere que sao os alunos, criando um buzz. Se conhecemos esses tipos de idéias, podemos adaptar o conteúdo para a nossa estratégia de mídia social em conformidade, por exemplo rodando mais competições.

3 – Qual o canal devemos começar?

Não seja um pau para toda obra e um mestre de ninguém quando se trata de escolher uma plataforma, começe por se concentrar em um ou dois. Pense sobre quais as características dos canais são mais alinhada com nosso objetivo de estratégia de mídia social. Se queremos contar a história de nossa marca, considere Facebook. Se queremos manter um fluxo contínuo de conteúdo, o Twitter é o cara.

4 – Com que freqüência devemos postar?

Frequência de mensagens realmente depende da respectiva plataforma que escolhemos para executar nossa estratégia de mídia social. No Facebook, é aconselhável postar pelo menos duas vezes por dia. Recomendamos testar sua página no Facebook usando LikeAlyzer; a pesquisa analisa a página para oferecer suporte sobre como melhorar a nossa estratégia de mídia social; frequência sendo um elemento de análise. Como mencionado, o Twitter é muitas vezes usado para postar com mais frequência; isto é devido à curta vida de um tweet e da maneira em que o nosso newsfeed funciona. Dito isto, nós só devemos estar postando se temos algo valioso a dizer, mas se sabemos o que é valioso para o nosso público, como mostrado no exemplo acima da Asos, então o céu é o limite!

5 – Que tipo de conteúdo devemos postar?

O tipo de conteúdo que postar novamente depende do canal escolhido para a nossa estratégia de mídia social. No Facebook, escolher uma combinação de um link de imagem + ou um vídeo envolvente. No Twitter, as coisas ficam difíceis, devido ao limite de caracteres. Uma imagem representa 23 personagens e um link, 22. Isso nos deixa com apenas 78 caracteres para convencer o nosso público a clicar, daí a importância de um deleite visual! Quanto ao conteúdo em si, isso depende inteiramente do que interessa o nosso público. Mais uma vez, o uso de uma ferramenta de monitoramento para ficar em contato com o nosso alvo e desenvolver tendências prova que e crucial.

Fique atento para a parte 2, onde nós vamos oferecer os 5 passos finais para a construção da estrada de tijolos amarelos para uma estratégia de mídia social bem sucedida.

Estudos de Caso Cliente: 5 dicas para se manter na trilha

Como já escrevi anteriormente, eu acho que acertar a entrevista ao cliente é a parte mais difícil da criação de grandes estudos de casos de clientes. Se a entrevista é boa, o seu estudo de caso vai escrever-se. Mas a entrevista não é o seu único desafio. Aqui estão algumas armadilhas adicionais que encontrei, além de cinco dicas rápidas para ficar a tona e garantizar que você sempre bata a marca:

Estudos de Caso Cliente: Dica # 1

Dê a seus clientes uma abundância de props

Mesmo eu tendo escrito no passado que você provavelmente vai ter que empurrar o seu caminho para a ribalta e fazer o estudo de caso mais sobre você, não se esqueça de dar aos seus clientes um pouco de amor. Gritem os seus resultados no mercado, destaque o seu crescimento, e aponte seus pontos fortes e exclusivos.

Estudos de Caso Cliente: Dica # 2

Use um serviço de transcrição

Ter de pausar e rebobinar um arquivo de áudio não é divertido. Não perca o tempo valioso (e caro) de escritor na transcrição da entrevista. Contrate um serviço para fazer isso por você.

Estudos de Caso Cliente: Dica # 3

Não decepcione

Se o seu cliente tem se dado ao trabalho de ser entrevistado, não seja negligente em escrever a história. Eles irão, eventualmente, perguntar pela a entrevista, e você não quer ter que responder que não há uma.

Estudos de Caso Cliente: Ponta # 4

Coloque a palavra para fora

Peca ao seu cliente para ajudá-lo a promover o seu estudo de caso em seus canais sociais (LinkedIn, Twitter e Facebook). Em troca, use os seus próprios canais sociais para agradecer-lhes por isso.

Estudos de Caso Cliente: Ponta # 5

Não solte a arma

Sua empresa conseguiu um novo cliente e você não poderia estar mais animado. Mas seja paciente. Espere até que eles estejam totalmente embarcados e utilizando o produto durante um mínimo de seis meses antes de abordá-los para uma entrevista.

Uma coisa mais a se pensar

E se o seu cliente menciona um de seus concorrentes?

Você ficaria emocionado ao ouvir o seu cliente dizer que eles escolheram você (e ama você) depois de ter sido decepcionado por uma empresa rival. Mas você leva isso ao estudo de caso? Eles podem ter mencionado que pesquisaram os concorrentes e acharam inferiores. Isso é ótimo para saber, mas você deve usá-lo? A primeira pergunta que você precisa responder é: será que a seu cliente nao se importa que você mencione essas outras empresas pelo nome? Eles podem ter razões perfeitamente válidas para não querer queimar todas as pontes. Suas próximas perguntas são: Qual é a sua própria política de discutir concorrentes? Você os ataca livremente? Você menciona, mas nunca falar mal deles? Ou você evita referencia-los pelo nome completo? Dependendo da sua marca de voz e do go-to-market estratégia, qualquer um destes pode ser a abordagem certa para você. Como você planeja seu programa de estudo de caso de cliente, esta é uma política importante para definir e manter.

Em uma nota final, encontrar bons candidatos para os seus estudos de caso de clientes é um desafio em si mesmo.

Facebook vs. Twitter: Diferenças Estratégia de Mídia Social

 

Durante uma recente #MarketingMinds bate-papo, os participantes falaram das diferenças entre engajar no Facebook em comparação com o Twitter. Embora tenha sido aflorado no chat, nós sentimos que este merece o seu próprio dedicado posto. Afinal, se nós sabemos como o engajamento se difere entre as duas mais utilizadas plataformas de mídia social, saberemos como nos adaptar para acomodar nossa estratégia de mídia social.

Facebook vs. Twitter: Diferenças de Estratégia de Mídia Social #1
Contação de Histórias vs. Rajadas de Informação

Atualizações de caráter ilimitado do Facebook torná-lo o canal perfeito para a marca de contar histórias. Contar histórias é importante para alimentar a nossa estratégia de mídia social como o nosso público é mais propensos a comprar se nutrir e flertar com elas ao longo de cada etapa do funil de compra. Nós publicamos recentemente um post sobre como a paquera é um segredo no sentido de uma estratégia de mídia social bem sucedido. Quando pensei assim, se pergumtarmos aqui se uma pessoas gostaria de ir a um encontro antes de acoplar, nos vão encontrar-nos assustador … e ninguém gosta de um canalha! Os mesmos princípios se aplicam para marketing. Facebook é tão bem sucedida do ponto de vista das vendas, porque é o canal perfeito para longas conversas.

Twitter por outro lado é para rajadas curtas de informações. Sheena Cox, Key Account Manager na Meltwater explica: “Embora todo o conteúdo de mídia social tem a torneira para o aqui e agora, o Twitter é o Usain Bolt de canais de mídia social. 140 caracteres é a maneira mais rápida para espalhar a palavra. Considerando o conteúdo Facebook tende a manter conversações que estão acontecendo por mais tempo. “Devido ao limite de 140 caracteres, tendemos a ver marcas direcionando o público para outros sites ao invés de focar a comunicação puramente na plataforma. Não tenha medo de compartilhar conteúdo de terceiros no Twitter. O recurso hashtag é frequentemente utilizado pelo público como um mecanismo de descoberta social, para acompanhar notícias do setor; portanto, o nosso público espera ver conteúdo de terceiros para se envolver com eles.

Facebook vs. Twitter: Diferenças de Estratégia de Mídia Social #2
Conteúdo Perene vs. Conteúdo em Tempo Real

Há um verdadeiro peso entre o conteúdo em tempo real e oportunidade entre os dois canais de mídia social e devemos considerar isso em nossa estratégia de mídia social. Twitter é muitas vezes visto como uma notícia saída, devido à natureza da plataforma de tempo real. Nós tendemos a ver as mensagens mais curtas mas mais frequentes no Twitter, com os usuários e marcas muitas vezes fornecendo um comentário sobre situações (campanha #DunkinReplay de takeDunkin Donuts por exemplo). Por conseguinte, a vida útil de envolvimento com o conteúdo no Twitter é mais curta. Para aqueles que querem postar conteúdo perene, considere o Facebook como meio de como é a saída para conversas em curso, como Sheena Cox menciona.

Facebook vs. Twitter: Diferenças de Estratégia de Mídia Social #3
‘Amigos de Verdade’ vs Conectando com Estranhos

Nossos Facebooks são tipicamente cheia de pessoas que conhecemos.
Seja que se trate de um velho amigo de escola, um membro da família ou alguém que conhecemos em uma viajem e que fez um acordo para manter em contato (todos sabemos como isso acaba!). Twitter, no entanto, é menos sobre amizades ‘vida real’. É perfeitamente normal que os usuários se conectem com estranhos. Isso faz com que o Twitter uma grande plataforma para construir relacionamentos influenciadores. Há uma lista bolada de razões pelas quais a nossa estratégia de mídia social deve ter como objectivo de se conectar com influenciadores da indústria.

Facebook vs. Twitter: Diferenças de Estratégia de Mídia Social #4
Conhecer os diferentes tempos the pico de engajamento

Quando se estar construindo uma estratégia de mídia social, é importante considerar o momento e dia ideal para enviar mensagens. Como mencionado em um blog Meltwater anterior, o engajamento para o nosso próprio público-alvo ocorre em momentos diferentes. De acordo com Fannit, Twitter engajamento sobe em 30% nos finais de semana, com os tempos mais otimizados sendo 13:00-15:00. Para o Facebook, podemos usar Likealyzer.com de Meltwater para analisar se o nosso post horários são bem sucedidos; aqui está um exemplo de Marks and Spencer.

Uma vez que sabemos o melhor momento para postar, nós podemos usar ferramentas de monitoramento de mídia social, como a plataforma Media Intelligence da Meltwater, para agendar posts para garantir que não perca o melhor intervalo de tempo para o engajamento e montar nossa estratégia.